Arquivos da Categoria: Sem categoria

Aconseg-SP apresenta treinamento comercial para assessorias.

ACONSEG-SP promove treinamento comercial para assessorias.

O treinamento foi realizado pelo corretor de seguros, o Sr. André Santos da Treinaseg, no dia 09/02/2017,no Terraço Itália.
O mote do evento foi como qualificar e uniformizar o atendimento ao corretor de seguros.

“É oferecer qualificação constante à área comercial das assessorias, para que as seguradoras sejam atendidas da melhor forma, ou seja, para que os corretores ofereçam os produtos dentro da estratégia de venda da companhia de seguros”, afirma o presidente da Aconseg-SP, Marcos Colantonio.

 

311e21e8-e92c-45c1-925a-10a98b7c57f6 95f6f155-d2fa-42de-923e-5ab901a7efc2

Aconseg-SP lança Relatório Econômico Financeiro

 

A Aconseg-SP lançou o Relatório Econômico Financeiro das Assessorias de Seguros, material que reúne as principais informações sobre a atuação das assessorias.

O estudo também divulga de maneira transparente o perfil da Aconseg-SP e de suas assessorias associadas.

O relatório foi produzido pelo economista Francisco Galiza, que atua como consultor da Fenacor, Sincor-SP, entre outras entidades do mercado de seguros.

Você pode acessar o conteúdo do Relatório clicando aqui: 
88

 

Marcos Colantonio – Presidente ACONSEG-SP 

Sincor-SP apoia audiência pública em favor do Agronegócio

A audiência pública sobre a “Importância da Subvenção Estadual para Sobrevivência do Agronegócio” conta com apoio do Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo (Sincor-SP). O evento acontecerá no auditório Franco Montoro na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, quarta-feira (03/12), a partir das 17h30.

 

“A subvenção estadual permite ao produtor rural o acesso aos seguros agrícola e pecuário e sua consequente universalização, fator que viabiliza a redução do custo de contratação da apólice”, explica o coordenador da Comissão Rural do Sincor-SP, Antonio Américo de Aquino.

 

“O seguro rural é uma das ferramentas mais importantes para garantir a estabilização da renda do produtor rural, porque repõe as perdas financeiras resultantes de variações climáticas ocorridas durante o período de produção”, complementa o presidente do Sincor-SP, Alexandre Camillo.

 

Iniciativa do deputado estadual Luiz Carlos Godim (SD), essa audiência contará com a presença de importantes autoridades do setor agropecuário e securitário como: o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento do Estado de São Paulo, Alfonso Adriano Sleutjes; o presidente da Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo, (Ocesp), Edvaldo Del Grande; e o presidente da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo, Fabio Meirelles.

 

Serviço

 

Audiência pública:  “Importância da Subvenção Estadual para Sobrevivência do Agronegócio”.

Local: Auditório Franco Montoro na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, 201 – Ibirapuera – São Paulo (SP)

Data: 03/12 (quinta-feira)

Horário: 17h30

Mudança de horário – Aniversário da Aconseg-SP

A Aconseg-SP comunica que o horário de início da comemoração de seu aniversário e posse da nova diretoria foi alterado para 20h30. O evento será realizado hoje (17 de novembro), no Circolo Italiano.

O horário foi alterado em virtude da realização da missa de 7º Dia de Marco Antonio Rossi e Lucio Flávio de Oliveira, que ocorrerá às 19h30, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em São Paulo. (Cobertura Editora/Aconseg-SP)

Gerir negócios requer união dos propósitos da companhia e dos executivos O profissional deve entender os riscos de sua posição

Assumir responsabilidades por suas decisões e saber se relacionar com a equipe, transmitindo transparência e ainda estar afinado com a estratégia da companhia são desafios e riscos que o executivo deve avaliar antes mesmo de assumir um cargo de grande exposição.

Esses assuntos foram explorados e debatidos durante o workshop “Proposta de valor em um mundo em transformação: quando os propósitos da empresa e dos executivos se unem a favor da gestão do negócio”, realizado pela VIS Corretora, dia 11, em São Paulo.

Para o headhunter sócio da FLOW Executive Finders, Igor Schultz, é preciso que os executivos tenham consciência sobre o propósito e o risco da sua posição, antes mesmo de aceitar o cargo proposto. “O que o executivo deveria olhar é o perfil dos acionistas, a questão de governança e compliance, os movimentos de transformação que essa empresa passou recentemente, fusão, aquisição, associação, cultura, proposta de valor da empresa, a política de negócio, e como lida com questões governamentais”.

Uma pesquisa realizada pela FLOW Executive Finders, com 515 executivos, revela que 40% não se preocupam em disseminar o propósito e os valores da companhia, tanto que 45% deles desconhecem esses quesitos da organização. Porém, no momento da contratação, 92% buscaram informações sobre as organizações que os abordaram para uma posição e 58% dizem que os desafios são o que mais os satisfazem.

Hoje, muitos executivos já têm consciência dos riscos do seu cargo e entendem o seguro D&O como um benefício a ser oferecido pelas companhias. “Esse momento do país expõe ainda mais os administradores de empresas. Em uma investigação sobre possíveis erros na administração, a empresa pode receber uma multa que pode chegar a 20% do faturamento e o executivo responsável pode responder com seus bens particulares uma investigação, e proteger o seu patrimônio pessoal é o papel do seguro D&O”, explica o gerente de financial lines da AIG Seguros, Flávio Sá.

Nota de falecimento – Marco Antonio Rossi e Lúcio Flávio de Oliveira

capas-facebook-luto2

A Aconseg-SP em nome de todos seus Associados lamenta profundamente a morte do Presidente da Bradesco Seguros Sr. Marco Antonio Rossi
e do Presidente da Bradesco Vida e Previdência Sr. Lucio Flávio Condurú de Oliveira, ocorrido em 10/11/2015.

Nossos mais sinceros sentimentos que Deus conforte o coração dos familiares e amigos neste momento tão difícil.

ETAD é destaque na Who’s Who Legal

O escritório brasileiro Ernesto Tzirulnik Advocacia – ETAD conseguiu a proeza de figurar na liderança da categoria Seguros em três rankings internacionais. Depois do Chambers & Partners e do The Legal 500 Latin America, agora foi a vez de a publicação britânica Who’s Who Legal destacar o ETAD como o principal escritório brasileiro de advocacia com foco no setor de Seguros.

A publicação destaca que o advogado Ernesto Tzirulnik, titular da banca, é visto como “autoridade sobre a lei de seguros no país” e também um habilidoso negociador e estrategista. A Who’s Who faz sua pesquisa com base em depoimentos dados pelos clientes. Outro sócio do ETAD, o advogado Paulo Luiz de Toledo Piza, foi classificado como um profissional com alta compreensão técnica e acadêmica sobre questões envolvendo seguros complexos e resseguros.

FONTE: FOLHA DE S. PAULO (Coluna Mônica Bergamo)

Mercado global de seguros para mulheres dobrará até 2030

No Brasil, esse mercado poderá crescer até 12 vezes, atingindo US$ 122 bilhões. Empreendedorismo feminino é um dos focos

 

São Paulo, setembro de 2015 – A AXA, em parceria com o IFC e a Accenture, realizou um estudo em dez economias emergentes, que mostra que em 2030 o mercado global de seguros deverá faturar  entre US$ 1,4 a US$ 1,7 trilhão com serviços adquiridos por mulheres. Em 2013, esse montante era de US$ 777 bilhões.

 

O estudo aponta que 50% desse crescimento será proveniente das dez economias emergentes pesquisadas[1]. No Brasil, a estimativa é de que esse mercado cresça entre oito e 12 vezes, quando comparado ao valor em prêmios pagos por mulheres em 2013, US$ 10 bilhões, atrás apenas da indústria indonésia que deverá crescer entre dez e 16 vezes.

 

No Brasil, as razões apontadas para essa expansão são o crescimento da renda; da participação da mulher no mercado de trabalho, da expectativa de vida e da quantidade de anos de aposentadoria. Também fazem parte da lista o aumento do poder de barganha das mulheres em seus domicílios – fortemente relacionado ao incremento da renda -, da quatidade de mulheres solteiras – que, por isso, devem prover suas necessidades – e o enorme déficit de proteção para pequenas e médias empresas, das quais 43% tem mulheres como proprietárias.

 

O estudo revela ainda que as brasileiras são as mais dispostas a gastar maiores quantias em seguros, principalmente relacionados a riscos que ameacem seu lar e sua família – especialmente no ramo de saúde. No entanto, na contra-mão dessa tendência, três motivos são apontados como entraves para concretização desse potencial: conhecimento insipiente dos benefícios do seguro, relacionada à falta de proatividade no processo de venda;  insegurança em relação à tomada de decisões financeiras; e a percepção de que seguro é caro.

 

Para Philippe Jouvelot, presidente da AXA no Brasil, “a pesquisa aponta um traço comportamental importante: elas tendem a ser mais conscientes em relação a riscos. Para aproveitar essa oportunidade, temos de ser bem-sucedidos na oferta, que deve levar em consideração as suas necessidades como mulher, mas também como geradoras de sua riqueza e tomadoras de decisão”.

 

 

Empreendedorismo feminino como foco

 

Um dos segmentos foco que impulsionará a expansão do mercado de seguros para mulheres no país será o de empreendedoras, já que elas são donas de 43% das pequenas e médias empresas (PMEs) brasileiras e 70% de todas as PMEs não possuem qualquer tipo de seguro.

 

Para Philippe Jouvelot, presidente da AXA no Brasil, “o reporte retrata a mulher como um motor de desenvolvimento econômico. No caso das empreendedoras, isso é ainda mais evidente. O seguro tem de ser pensado como um meio de garantir a continuidade dos negócios, mas isso ainda é pouco percebido, não só por desconhecimento, mas também porque a oferta para esse perfil precisa ser incrementada”.

 

O estudo mostra também que, para as empreendedoras, os negócios e a vida pessoal estão intimamente relacionados – eventos como a gravidez, nascimento dos filhos e licença maternidade podem gerar um grande impacto nas atividades que geram a renda. Outro dado interessante é o fato de que mulheres têm maior tendência de operar os negócios a partir de sua residência. Por isso, um dos caminhos apontados para incrementar a oferta para empreendedoras é considerar pacotes que incluam proteção pessoal e para os negócios, como, por exemplo, um seguro que proteja os equipamentos utilizados na empresa e também a casa.

 

Entre as entrevistadas brasileiras, um seguro para que facilite o acesso ao crédito aparece entre as demandas: “conheço várias empreendedoras que têm muita dificuldade para obter crédito sem disponibilizar seus bens pessoais como garantia. Algum tipo de seguro que facilite o acesso seria um grande benefício para começar um negócio ou para ajudar no seu desenvolvimento”.

 

[1] Estudo realizado por meio  de entrevistas pessoais com 174 representantes da indústria (corretores, agentes, mulheres clientes, reguladores e associações), com suporte de pesquisas e literatura relacionada ao tema.

Dez países pesquisados: Brasil, China, Colômbia, Índia, Indonésia, México, Marrocos, Nigéria, Tailândia e Turquia.

25/09/2015 – REVISTA COBERTURA MERCADO DE SEGUROS